Taça de Honra de Lisboa


"Nossos Ídolos, Nossos Adeptos"

Conquista da Taça de Honra de Lisboa

Terça, 23 de Julho 2013

A Associação de Futebol de Lisboa decidiu retomar a disputa da Taça de Honra de Lisboa. Esta prova teve a sua primeira edição em 1914, com o SCP a arrecadar esse primeiro título. Seria o primeiro de muitos outros, mais precisamente 28 até ao início dos anos 90, altura em que esta prova deixou de se realizar.

O reinicio desta competição significou a conquista do 29º título para o SCP que através dos seus profissionais da equipa secundária representou o futebol leonino.

No sábado uma justíssima vitória sobre os lampiões por 2-1. O bom jogo da equipa verde e branca seria confirmado no domingo, com novo triunfo sobre a equipe local, na marcação das grandes penalidades.

Esta competição coloca diversas questões que os responsáveis deverão ter em conta quando "organizarem" novo "evento". A fraquíssima afluência dos adeptos a esta dupla jornada será um indicador suficientemente esclarecedor. Preço dos bilhetes, localização do torneio, horários e demais condições para os adeptos, são factores claramente negligenciados por quem de direito.

Por outro lado, os interesses comerciais conheceram um protagonismo esmagador. Para cúmulo, no intervalo do derby de sábado com os lampiões, surgiu em pleno relvado uma "coreografia" promotora do canal da lampionagem. O despudor atingiu o seu esplendor. Muitos dirão que se tratará de "simples" publicidade. Para esses os que se conformam com a frieza dos números, urge dizer que os "milhões" jamais poderão comprar a paixão e os princípios que os verdadeiros adeptos assumem como o seu maior património. Esse foi um episódio que retrata o futebol negócio em toda a sua plenitude, perante uma aparente indiferença quase generalizada.

Por outro lado a presença da Torcida Verde neste "torneio" foi também momento para reafirmarmos uma nossa posição em relação aos jogadores da bola.

A actualidade do caso Bruma, um futebolista nado e criado na Academia de Alcochete, um dos expoentes máximos da "formação verde e branca" veio recolocar na ordem do dia, o tema da relação com os jogadores da bola.

A revelação de existirem "empresários de jogadores" com dezenas(!) de futebolistas contratualmente vinculados ao futebol profissional do SCP, condicionando e determinando a relação destes com o SCP, será uma realidade duríssima que exige a nossa indignação e o nosso inconformismo. Nomes como P. Zahavi e J. Mendes ganham um protagonismo determinante, parecendo dominar desde há muito a chamada "formação" do futebol leonino. As recentes revelações dos responsáveis máximos do SCP confirmaram quão execráveis e perniciosos são os autoproclamados agentes dos jogadores.

Neste quadro poder-se-á afirmar que ta "modelo de formação" estará direcionada para os interesses dos agentes dos jogadores e comissionistas que durante anos e anos dominam os bastidores do futebol verde e branco.

Neste contexto a Torcida Verde apresentou-se neste torneio do Estoril com a faixa "ZERO ÍDOLOS" reafirmando o distanciamento com os profissionais da bola e com os interesses que parasitam em seu redor.

Ontem foram Simão, Moutinho, hoje Bruma. Urge transformar o conceito de formação de modo a que no futuro não surja a interrogação... e amanhã qual será o próximo?

 

 

Facebook Twitter YouTube Google+ RSS