Derrota na Amoreira
Domingo, 30 Janeiro 2011

Estoril 2 - Sporting 1

No último jogo desta fase da Taça da Liga, o Futebol Profissional do SCP deslocou-se à Amoreira para defrontar o Estoril. Infelizmente uma nova derrota do onze leonino flagelou os resistentes adeptos presentes no Estádio António Coimbra da Mota.

Um golo madrugador do lateral Abel adormeceu o onze de Paulo Sérgio, que permitiu a viragem no marcador com um enorme contributo da equipe de arbitragem. O polémico lance que prejudicou a equipa verde e branca ocorreu na 2ª parte. O árbitro Cosme Machado assinalou uma grande penalidade por alegada falta de Tiago (que foi expulso) sobre Luís Leal.

Com a passagem às meias-finais praticamente garantida, a Torcida Verde mobilizou-se para nova jornada de apoio ao Ideal de Francisco Stromp.

Num momento tão turbulento da vida do Sporting, a Torcida Verde reafirmou posições que de há muito escolhemos como bandeiras na vanguarda dos valores do nosso Clube.

O "tifo" inicial foi composto por 3 megaestandartes que retrataram a reverência, a subserviência e a cumplicidade com que a generalidade dos "notáveis" leoninos se relacionaram com os interesses que se foram instalando na Instituição.

Os eminentes notáveis que operam na órbita do poder, estão invariavelmente com "a situação", em caso de vitórias do Futebol, saltando fora do barco aquando dos insucessos. Estes são os maiores responsáveis pelo actual momento do nosso grande Clube.

São os mesmos que nos anos 80 defendiam o Ecletismo e o paradigma do "clube diferente" e depois em meados dos anos 90 aplaudiram o esvaziamento do modalidades amadoras, a edificação do megaprojecto imobiliário e pouco depois a sua alienação.

Foram "Rochistas", depois "Roquettistas" (haverá maior contradição?), "fiéis" de Dias da Cunha e num notável golpe de rins passaram a "apoiar" Soares Franco. Aclamaram José Eduardo Bettencourt com o "entusiasmo de sempre", na verdade um entusiasmo "estratégico". Nunca se assumiram como baluartes dos valores do SCP junto dos dirigentes, alguns dos quais apareceram no Clube sem qualquer vivência leonina, sem qualquer militância. Nesse contexto seria fundamental, a intervenção de referências da Instituição.

O efémero consulado de José Eduardo Betencourt, denuncia as "fratricidas" lutas de bastidores que fragilizam qualquer projecto quando o Futebol não é vitorioso. Esta será a questão central.

Qualquer futuro líder do SCP estará cada vez mais dependente da bola entrar. Se a bola não entrar, por muitas boas intenções que possa ter, os notáveis e candidatos a notáveis entram em cena. Tratem-se de ancestrais notáveis, ou daqueles que "intervêm" no admirável mundo virtual no conforto do seu sofá.

O "tifo" de intervenção da Amoreira denunciou esta verdadeira traição ao Ideal Leonino. O terceiro estandarte foi retratado com um leão "apunhalado".

A frase "A história os julgará" foi desta forma direccionada a estas proeminentes figuras e figurões que os militantes verde e brancos nunca encontram nas curvas, nem nos pavilhões.

No início do 2º tempo implementámos a 2ª parte do nosso "tifo", com um novo megaestandarte onde estava retratado um "notável" com uma fisiologia muito própria e onde a boca está directamente ligada ao intestino grosso, "explicando" a maior parte das intervenções dessas personalidades. "Eu sou um notável" era o grito que ecoava deste megaestandarte.

Estoril 2 - SCP 1 (Taça da Liga)

Jornal "A Bola" > 30 de Janeiro de 2011

Lamps 2 - SCP 1
Lamps 2 - SCP 1
Nacional 1 - SCP 0
Nacional 1 - SCP 0
SCP 2 - G. Rangers 2

 

 

 

Facebook Twitter YouTube Google+ RSS