Photo
Guimarães: derrota no relvado, censura nas bancadas!
Segunda, 24 Dezembro 2018
Torcida Verde


Guimarães 1 - SCP 0

Dia 23 de dezembro de 2018, mais uma deslocação a Guimarães na 14ª jornada da principal competição de futebol luso que terminou com a derrota do futebol leonino por 0-1.

Uma deslocação, antecipada pela jornada a meio da semana com o Rio Ave e, sobretudo pelo dramático desaparecimento do amigo Alberto.

Se a esta conjuntura somarmos o elevado preço dos bilhetes (20 euros) e do transporte, eis mais uma semana de luta para mobilizar mais de uma centena de adeptos até à cidade berço num jogo que teve inicio às 20 horas e cuja chegada a Lisboa aconteceu para além das 4 da manhã do dia 24!

Infelizmente, nada de novo... porque tal sucede desde os idos anos 90, graças aos "invisíveis" poderes do futebol negócio que determinam preços de bilhetes, horários de jogos, arvorando-se de poderes ilimitados tal como um Estado dentro do Estado.

Desta vez, a deslocação a Guimarães teve a particularidade de nos impedir de assistir aos primeiros 35 minuts de jogo, para muitos outros só foi possível entrar no municipal de Guimarães no final da primeira parte! Tudo isto porque fomos encaminhados para um trajecto alternativo com mais trinta e tal quilómetros... por "razões de segurança". Responsabilidades? Zero!

O mais caricato estaria para acontecer. A entrada dos materiais aconteceu de forma normal: demorada e minuciosa como sempre.

Quando no intervalo nos preparávamos para concluir o tifo de tributo ao Alberto, completado com uma irónica intervenção sobre o elevado preço dos bilhetes... fomos abordados pela segurança que, dando conta da caricatura de um dos "donos da bola" (com 2m) nos disseram que tal não estava autorizado, gerando-se uma acesa troca de "argumentos".

Não se tratava de qualquer frase, capaz de provocar ou ofender outros adeptos e dessa forma causar qualquer multa ao SCP. A "razão" na lógica daqueles que nos interpelavam referia que não solicitáramos autorização... De facto, "apenas" enviáramos informação, via SCP da frase de tributo ao Alberto.

Tratava-se de uma frase, correspondendo ao que foi solicitado pelo SCP. A caricatura do tal "dono da bola" tinha 2ms e em nada era ofensiva... nem tão pouco seria acompanhada de qualquer outra frase, que não foi referida no email... mas que passou na revistados stwards causando um alarido grotesco e esclarecedor.

Centraram-se numa caricatura que nem era única... Se esta moda pegar, os adeptos não poderão levar quaisquer imagens (bandeiras, estandartes ou simples cartazes a pedirem aos futebolistas, camisolas, peúgas ou ceroulas) para dentro de estádio caso não informem quem de direito...

Para este jogo entraram naquele estádio dezenas de bandeiras e estandartes de diversos adeptos, entre os quais inúmeros da Torcida Verde de dimensão superior a 2ms... sem qualquer problema... Pura censura despótica, 44 anos depois do 25 de Abril de 1974.... ou simples servilismo e reverência perante os "intocáveis donos da bola" para os quais os adeptos do futebol e do desporto são meros consumidores, descartáveis sem quaisquer direitos ou voz activa. Fica a questão. Venceu "a lei do sistema", deixando de existir condições para prestarmos o justo tributo ao Alberto e também de usarmos uma outra megabandeira que viajou desde Lisboa.

 

 

Facebook Twitter YouTube Google+ RSS