Deslocações a Innsbruck e Bergamo PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Episódio 16

Em Setembro de 1987 a decisão de organizar a deslocação a Innsbruck, para uma eliminatória da Taça das Taças, foi em si mesmo um acto de grande coragem e determinação.

O facto de se tratar de uma viagem que superava os 5000 km, a realizar em autocarro, seria um grande desafio que suscitava muitas dúvidas e alguma incredibilidade a alguns elementos da Torcida Verde.

Innsbruck 8788

A decisão de avançarmos para a realização do primeiro grande Euro Tour (depois de Barcelona e Bilbau em Espanha) foi um ponto de viragem rompendo com o fatalismo conformista.

A realização da "grande viagem" em autocarro com 50 adeptos foi uma grandíssima vitória, exigindo-nos de bom grado o sacrifício do período de férias de verão. Em Setembro de 1987 partia da mítica porta 10-A do Estádio José Alvalade o autocarro rumo à Áustria, numa deslocação histórica cheia de peripécias.

Ainda nessa época, organizámos nova deslocação, desta feita a Itália, motivados com o "êxito" da deslocação à Áustria e a passagem do SCP aos quartos de final duma competição que em 63/64 havia sido conquistada pelo futebol leonino. Em Março de 1988 partiram dois autocarros rumo a Bergamo, numa eliminatória com os Italianos da Atalanta.

O episódio de Bergamo foi ainda uma grande experiência para a Torcida Verde, no que diz respeito a "despertar" para a realidade "Ultra".

Pela primeira vez, assistimos ao apoio organizado em "grande escala", capaz de contagiar de forma espontânea todo um estádio. Por várias vezes, ao longo do encontro, os "tiffosi" entoavam em uníssono cânticos de apoio à Atalanta, galvanizados pela "Curva Nord", incansáveis ao longo dos 90 minutos. Impressionante também a apresentação de uma bandeira que cobria toda a "Curva Nord".

Cartaz da deslocação a Bergamo

No final do Jogo os adeptos do SCP foram enquadrados por um cortejo policial, o qual foi literalmente "invadido" por centenas de jovens adeptos da Atalanta, ávidos por trocar cachecóis, bandeiras ou bonés com os adeptos verde e brancos.

Tratou-se do primeiro contacto com os "Ultras", de um clube de "Província" que disputava a Série B Italiana. Imaginámos como seria o ambiente nos clubes das principais cidades italianas!

A época 87/88 seria memorável, motivando-nos para outras grandes deslocações Europeias.

 

SCP 0 - Basileia 0

Tratam-se de situações marcantes para os militantes da Torcida Verde que viveram essas jornadas ao vivo e a cores.

Desde 1984, o ano da sua fundação, a Torcida Verde tem vivido inúmeros episódios que forjaram o seu carácter e determinaram em grande parte a sua acção.

Tratam-se de situações marcantes para os militantes da Torcida Verde que viveram essas jornadas ao vivo e a cores.

São momentos diversos, com personagens tão diferentes como dirigentes desportivos ou institucionais até aos adeptos e cidadãos mais anónimos.

Neste espaço esses pedaços de história da Torcida Verde são evocados com humor, ironia, determinação e muita convicção. Uma abordagem que se pretende tão original como interventiva, bem evidente nos inúmeros episódios em que se denúncia a hipocrisia, o cinismo, a falta de coragem, o preconceito, a imbecilidade, a mesquinhez, a reverência ou a subserviência.

Simultaneamente muitíssimos outros momentos evocam grandes batalhas assumidas pela Torcida Verde em nome das nossas convicções e ideal clubista.

Estes textos ilustram o percurso da Torcida Verde, tantas vezes rumando num mar turbulento repleto de contradições que emergem, invariavelmente de factores exógenos e externos à natureza associativa do mundo dos clubes e dos adeptos.

 

Facebook Twitter YouTube Google+ RSS