Transferta a Mónaco em 97 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Na primeira aventura na Champions League quis o sorteio que a o Sporting defrontasse o Mónaco, o Lierse e o Bayer Leverkusen.

Transferta a Monaco em 97

Após as presenças na Bélgica e na Alemanha foi tempo de organizar a deslocação ao principado. Esta foi uma deslocação efectuada em condições particularmente difíceis, tendo em conta o momento que equipa de futebol atravessava (com diversas mudança de treinadores), o facto de existir um enorme fosso entre aos adeptos leoninos e a equipa de futebol, bem como o clima de clandestinidade que a Torcida Verde vivia perante os dirigentes de então. No entanto, as dificuldades, mais uma vez, não demoveram a Torcida, que organizou uma deslocação com duas carrinhas de 9 lugares, o que atentas as circunstâncias acima referidas poder-se-á considerar um sucesso.

A viagem decorreu dentro espírito de diversão que caracterizam todas as deslocações ao estrangeiro, com passagens turísticas por Andorra, Barcelona, Nice, Antibes e San Remo (com a compra da inevitável Supertifo).

No estádio conseguiríamos ludibriar as forças de ordem monegascas e montar uma pequena banca de vendas de material da Torcida em frente à entrada principal do luxuoso Estádio Louis 2, cujos cachecóis, t'shirts e gorros se venderam num ápice. Foi um contributo importante para as "economias" do grupo, numa época extremamente difícil.

Transferta a Monaco em 97

Registe-se que os adeptos sportinguistas compareceram em número bastante razoável, movidos também pela curiosidade de conhecer tão afamadas paragens. O apoio à equipa chegou a estar ao rubro com o Sporting chegar estar a vencer por 0-2. No entanto, o Mónaco (recheado de bons jogadores) acabaria por vencer a partida por 3-2, com a natural desilusão da massa adepta sportinguista presente. A equipa do Mónaco era apoiada pelo grupo "Ultras Mónaco", que apesar de não ter o nível de outros grupos franceses, prestava um apoio meritório à equipa lutando contra as "condicionantes sociais" da região onde se inserem.

Transferta a Monaco em 97

A viagem de regresso efectuou-se sem sobressaltos de maior, à excepção de um furo que uma das carrinhas sofreu, que foi prontamente debelado pelos nossos mecânicos de serviço.

Transferta a Monaco em 97

Com efeito, esta foi mais uma deslocação para a história da Torcida Verde dada a envolvência especialmente complexa que se vivia então, sendo mais uma prova de grande dedicação por parte do grupo, que não se deixou abater pelas adversidades.

 

Deslocação a Bilbau

As deslocações são desde a primeira hora uma das principais acções que na Torcida Verde potenciamos rumo ao apoio do ideal leonino.

Naturalmente a mobilização é uma tarefa indispensável para possibilitar a realização dessas deslocações. Seja no Futebol, no Andebol, no Futsal, no Hóquei-em-Patins, no Basket, no Voleibol ou no Atletismo, a Torcida Verde organizou centenas de deslocações em Portugal e na Europa.

Com o advento das transmissões televisivas, as quais ainda por cima exigem-nos suportar horários jogos intragáveis, assim como o excessivo preço dos bilhetes são factores que dificultam a mobilização.

A dificuldade na mobilização agrava-se com o processo de afastamento dos adeptos verde e brancos, que resultou da triturante erosão provocada pelos efeitos do Projecto Roquette desde meados dos anos 90.

Exemplo marcante foi o cancelamento da organização de excursões pelos serviços do Clube em 1996, dando expressão ao processo de desaculturação leonina, também pela desmobilização dos adeptos, transformados como meros consumidores.

>Apesar de tudo, na Torcida Verde jamais nos rendemos. A fidelidade às cores verde e branca é uma bandeira inquestionável.

 

Facebook Twitter YouTube Google+ RSS